Find us on Facebook

Contos de Pedro Almodóvar retornam às livrarias brasileiras em única edição pelo selo Tusquets

 

 


Foi no decorrer da década de 1980 que Pedro Almodóvar, um dos diretores de cinema mais prestigiados e conhecidos do mundo, escreveu uma série de crônicas para a revista La Luna de Madrid. Anos depois, o grande editor Jorge Herralde propõe a publicação destes textos e o resultado é a obra Patty Diphusa e Fogo nas entranhas, que chega pela primeira vez às livrarias em edição única pelo selo Tusquets, da Editora Planeta. O livro é formado por duas histórias principais e marcam a estreia do cineasta na literatura.

 

A primeira parte da obra traz as memórias devassas da narradora-protagonista Patty Diphusa, uma estrela de filmes adultos que, ao contar suas experiências mais íntimas, reflete sobre a cena de Madri na década de 1980, regada a sexo e drogas. “Entre a quantidade de personagens femininas que escrevi, Patty é uma de minhas favoritas. Uma garota com tanta vontade de viver que nunca dorme, naïf, terna e grotesca, invejosa e narcisista, amiga de todo mundo e de todos os prazeres e disposta sempre a ver o melhor lado das coisas.”, escreve Almodóvar no prólogo da obra.

 

Já a segunda parte é protagonizada por um grupo de cinco mulheres, cujas vidas se cruzam pelo mútuo envolvimento com um chinês sentimental, dono de uma fábrica de absorventes íntimos e que, de tanto ser traído, se transforma no vilão da história. Para esta edição, os textos contaram com a tradução de Eric Nepomuceno, que já fez versões para o português de obras de importantes autores, como Jorge Luis Borges, Julio Cortázar e Gabriel García Márquez, além trazer na capa a ilustração do projeto gráfico original.

 

Reflexo dos sentimentos de Almódovar em meio a balbúrdia do movimento cultural dos anos 1980, Patty Diphusa e Fogo nas entranhas passeia entre a ficção e a não ficção, ao mesmo tempo, explorando de maneira instigante, despojada, repulsiva e empolgante as reflexões do autor sobre os círculos artísticos de Madrid. “Me alegra muito que esses textos se transformem em livro, embora, quando os escrevia, nunca estivesse seguro de que iria escrever o capítulo seguinte.”, conta Almodóvar. Ganhador de mais de 150 prêmios, incluindo Oscar e Globo de Ouro, o cineasta encerra o texto com um convite. “Para terminar, só me resta pedir que leiam este livro com a mesma falta de pretensão com que ele foi escrito.”, finaliza.

-

 

TRECHOS DO LIVRO

 

Sempre descubro motivos para ser otimista. É que, apesar de ser uma sex symbol, sou bastante equilibrada.

 

A VIDA é muito efêmera, às vezes você não tem outro remédio a não ser fazer tudo ao mesmo tempo, se quiser tirar algum proveito dela.

 

Eu me chamo PATTY DIPHUSA e pertenço a esse tipo de mulheres que protagonizam a época em que vivem. Minha profissão? Sex symbol internacional ou estrela internacional de pornô, como quiserem chamar.

 

Estupefato, Ming ficou olhando para ela. Não sabia por que, mas o cinismo de Mara o deixava paralisado. Naquele momento, pensou coisas muito feias sobre ela, mas não conseguiu falar. Foi até a janela e a viu com um homem do mundo que a esperava em seu automóvel.

 

-

FICHA TÉCNICA

Título: Patty Diphusa e Fogo nas entranhas

Autor: Pedro Almodóvar

Tradução: Eric Nepomuceno

Páginas: 160 p.

Preço: R$ 56,90

ISBN: 978-85-422-2183-1

Editora Planeta | Selo Tusquets

 

SOBRE O AUTOR

Pedro Almodóvar é um dos cineastas mais prestigiados do mundo. Nascido em 1949, na Espanha, o diretor também é roteirista, ator e produtor de cinema. Seu trabalho já lhe rendeu mais de 150 prêmios por filmes como Tudo sobre minha mãe, A pele que habito e Dor e glória. Marcada pelo melodrama, irreverente humor, cores ousadas, citações da cultura popular e complexas narrativas, sua obra tem criado grande impacto mundial nas últimas décadas.

 

SOBRE O SELO TUSQUETS

Criado em 1969, na Espanha, e presente no Brasil desde 2016, Tusquets é o selo de ficção literária da Planeta. Publica autores como Alejandro Zambra, J.P. Cuenca, Camila Sosa Villada, Xico Sá, Marina Colasanti, José Eduardo Agualusa, Shusaku Endo, Javier Cercas, Marguerite Duras, Ferréz, Bob Dylan, Leila Slimani e Édouard Louis.

 

Postar um comentário

0 Comentários